ARTIGOS

O Forte Dufferin17/06/2014por Kiril Meretskov

O incidente que mais me sensibilizou, em toda a campanha da Birmânia, foi a ação que teve lugar no Forte Dufferin. Não a envolveu exatamente uma questão de tática superior. Na verdade, foi quase uma volta à artilharia do século XVIII, quando os canhões iam à frente de todo mundo e funcionavam para valer. Felizmente havia um cinegrafista de uma agência de noticias que filmou quase tudo.

O filme mostra muita coisa semelhante com a Guerra Peninsular ou o Motim Indiano. O Forte Dufferin era um baluarte situado na cidade de Mandalay. Ele surgiu como uma velha cidade murada, mas com o passar dos anos, transformou-se num tipo de "fortaleza" dentro da própria cidade. Cercado por um fosso imenso e grossas paredes, ele era a personificação de uma fortaleza. E quando os britânicos atacaram Mandalay, os japoneses simplesmente se retiraram para dentro do Forte Dufferin e nele se fecharam. O Ímpeto inicial do ataque britânico chegou às portas de Dufferin e tentou rompê-las, esperando surpreender os japoneses ainda meio desarrumados. Mas Dufferin não se deixou romper, levando à suspensão do ataque. Tanques foram levados até o fosso, mas este e -os parapeitos eram intransponiveis para qualquer tipo de tanque, e seus canhões não causaram dano algum ao forte.

Depois de examinadas algumas ideias sugeridas. mandou-se buscar um grupo de canhões de 5.5 pol. Após rápido reconhecimento do obstáculo, o comandante decidiu que só havia um modo de usar os canhões o que costumava chamar-se de papel de "aríete", ou seja, colocá-los em alça zero e atirar até que alguma coisa cedesse. E assim foi feito. A infantaria indiana espalhou-se por entre os prédios e atrás das árvores, para dar fogo de cobertura, enquanto os artilheiros levavam os canhões de 5,5 toneladas até as portas do forte, punham-nos em ação e. nus até a cintura, ao quentíssimo sol birmanês.

Começaram a disparar granada de 100 Ib. contra as defesas o mais rapidamente possível. Era uma cena fantástica. O canhão de 5,5 pol. em geral é posto em bateria bem na retaguarda, distante da frente, usando seu alcance de 16.000 metros para cobrir larga área e disparando numa elevação que faz com que o recuo ocorra para baixo, contra o chão. Mas esses canhões eram disparados com alça zero. e com seus grandes pneus de câmara-de-ar apoiados no chão endurecido pelo sol eles corcoveavam e pulavam como cavalos de rodeio. A munição estava armazenada atrás de casas perto do local e dois artilheiros vinham correndo com uma granada em cima de uma bandeja de carregamento semelhante a uma padiola, seguidos de dois outros com um soquete. A bandeja era levantada até a culatra, com o soquete empurrando a granada para dentro do canhão; a bandeja descia e os artilheiros, suarentos, iam correndo buscar outra granada enquanto a bolsa da carga era enfiada atrás da granada, a culatra era fechada e o artilheiro fazia pontaria. Um passo rápido para trás da peça, um puxão no cordão de disparo e o canhão saltava no ar, enquanto outra granada explodia contra o forte.

Antes que o canhão parasse de sacudir, os artilheiros já lhe estavam abrindo a culatra e os dois homens já vinham chegando com outra granada, enquanto a infantaria circunjacente varria todos os pontos possíveis com fogo de metralhadora e fuzis, para impedir que tocaieiros alvejassem os artilheiros. Seria bom que pudéssemos registrar que os artilheiros finalmente romperam as mura lhas e permitiram que um grupo se lançasse pela brecha, na melhor tradição da era do Duque de Weilington, mas a verdade foi muito" diferente. Enquanto se martelavam as muralhas, atraindo a atenção dos defensores para a porta da frente, por assim dizer, um grande grupo trabalhava no sentido de penetrar o Forte Dufferin pelo sistema de esgoto, e por ali è que conseguiram fincar uma "cabeça-de-esgoto". A tal "cabeça", embora "de esgoto", permitiu a chegada de reforços que dobraram, afinal, a resistência japonesa. Mas, apesar de a valente atividade dos artilheiros não haver conseguido estabelecer efeito direto, ela por certo contribuiu para a queda do Forte Dufferin, e provavelmente ficará na História como a última ação do seu tipo.
Compartilhar: