ARTIGOS

Alemanha X França: Uma alusão econômica07/08/2013

Por Kiril Meretskov
 
     Há algum tempo atrás eu vi um programa onde um professor universitário que ensinava em suas aulas sobre Fusões e Aquisições utilizava como exemplo a batalha de Hatings, vencida por Guilherme da Normandia, que se tornou rei da Inglaterra. Isso me inspirou a fazer essa analogia com a derrota da França, na Segunda Guerra Mundial, para a Alemanha. O que levou um país como a França a ser derrotado tão rapidamente?
     Podemos tirar proveito dessa história nos dias de hoje? Ela pode ser aplicada às empresas? Bom sobre tudo isso vou discorrer a seguir. Vamos criar duas empresas fictícias: Alemanha S.A. e a França Inc. A situação da França Inc. era muito boa. Vencera sua concorrente a Alemanha S.A. em sua ultima disputa comercial e posicionara-se no mercado quase com controle total. Seu maior problema era que estava muito descapitalizada, por isso se prendeu a um produto básico “Linha Maginot”. Mantinha seu produto “Artilharia”, que era considerado o melhor do mercado, sem alterações, o que fazia com que tal produto estivesse obsoleto. Por fim, o produto “Tanque” (que fora usado como um dos principais pivôs de sua vitória) não era bem explorado e também estava ficando obsoleto. Além disso, tinha problemas administrativos, pois seus lideres não aprovavam inovações, prendendo-se a estratégias que haviam levado à vitórias no passado. Seguiam o velho ditado de que “em time que esta ganhando não se mexe”.
     Já a Alemanha S.A., após sua disputa quase falira. Não era mais nem a sombra do passado quando entrou em cena uma nova administração agressiva, que pensava em inovação, aplicando muito em pesquisa e desenvolvimento. Viu o produto “Tanque” como revolucionário e também desenvolveu versões melhores para outro produto que havia a pouco surgido: o “Avião”. Após alguns anos de preparação, partiu para o ataque contra seus concorrentes. O primeiro alvo foi a Polônia Ltda., que era muito parecida com a França Inc., porém em uma escala menor e muito mais defasada. Com isso a Polônia Ltda, caiu muito rapidamente. A França Inc. assistiu a tudo, mas não assimilou a lição, achando que se tratava de um evento aleatório que não se repetiria com eles e preparou-se para enfrentar a próxima disputa de mercado apenas aumentando e fortificando os seus já ultrapassados produtos.
     Finalmente a Alemanha S.A. ataca abertamente a França Inc. O ataque já era esperado, a estratégia já estava montada, mas o que aconteceu é que a tática utilizada pela Alemanha S.A. foi diferente da esperada pela França Inc, atacando onde ninguém esperava e deixando de lado o grande produto trunfo da França Inc. o “Linha Maginot”. A Alemanha impôs uma disputa baseada em seus produtos “Tanque” e “Avião”. Outra grande vantagem da Alemanha S.A. era que seus gerentes estavam sempre muito perto do mercado, enquanto que os da França, sentavam-se em suas cadeiras ficando muito longe das informações e, pior, não apoiavam os funcionários, deixando-os meio perdidos. Também os gerentes da França Inc., eram muito lentos nas tomadas de decisões, ainda apoiando-se nas táticas utilizadas no passado. Com reações muito lentas, boatos se espalharam rapidamente gerando uma debandada geral, ninguém queria ficar para apagar a luz. Novamente a direção demorou em agir, deixando o campo fértil para os boatos. Essa imobilidade também fez com que as chances de um contra-ataque fossem sendo desperdiçadas, pois mesmo não acreditando muito no produto “Tanque”, a França Inc., possuía uma quantidade muito boa e de qualidade também aceitável, mas faltou agressividade e tentaram resolver as coisas aos bocados, deixando que, localmente, a Alemanha S.A. tivesse superioridade. Finalmente a França Inc. percebeu que mantendo suas táticas, acabaria sendo totalmente destruída, tentou recorrer à ajuda externa. Mas já era tarde, suas vantagens iniciais tinham se dissipado e agora quem controlava o ataque era a Alemanha S.A. Sua direção sequer chegava a um acordo: alguns queriam continuar lutando e outros tentavam diminuir as perdas. Finalmente acuada, sem ação, não havendo mais possibilidade de continuar existindo, a França Inc., antes poderosíssima, acaba sendo incorporada e deixa de existir.
     No futuro a Alemanha S.A. entrou em disputas com outras grandes empresas como a Rússia Inc., acabou cometendo erros que a levaram a total falência alemã, mas isso é uma outra história, que mostra que liderança de mercado deve ser conquistada a todo o momento e não é um local de calma onde se descansa nos louros da vitória.
Compartilhar: