ARTIGOS

Os Blindados Russos17/06/2014por Mitsuo Fuchida

Muito se fala das famosas divisões panzer, de seu poder, quantidade de veículos, batalhas, qualidade das tripulações e veículos. Mas aí vem a duvida, se eram tão poderosos como foram derrotados? A resposta está nas forças blindadas soviéticas. Doutrinariamente tão avançadas quanto as alemãs na década de 30, tiveram nos expurgos de Stalin um de seus maiores adversários, tão grandes quanto os próprios panzers! Influenciados pela mesma escola que os alemães, os soviéticos tinham na mobilidade, concentração e poder de fogo as chaves mestras da sua doutrina de emprego de blindados. Baseando-se nesses pontos, buscaram nas mais diversas fontes tecnologia para viabilizar a teoria. Na década de 30 desenvolveram tanto veículos rápidos quanto verdadeiros cruzadores terrestres. Num extremo estava o BT-5 que se baseava em tecnologia americana de suspensão Christie e no outro os imensos e desajeitados T-28 e T-35, com suas múltiplas torres.
  A primeira prova para os tanques soviéticos foi na guerra civil espanhola, onde se saíram bem. Mas o conflito que estava por vir seria diferente. Dos fatos que iriam ocorrer que determinariam os combates da Grande Guerra Patriótica, o mais divulgado foi à invasão da Finlândia, onde os efeitos dos expurgos de Stalin se fizeram sentir e se não fosse a imensa superioridade numérica, teriam sido derrotados. O outro foi o enfrentamento do Japão no extremo norte da China, onde a avalanche do poder do exercito russo se fez sentir de tal forma que os japoneses em função disso preferiram enfrentar o poderio americano a enfrentá-los novamente. No que se baseava a doutrina blindada soviética? Na superioridade numérica, velocidade, poder de fogo e concentração de artilharia e aviação. Os principais elementos seriam:

Um veículo rápido, bem blindado e com excelente poder de fogo. Para isso foi escolhido o T-34, que teve diversas inovações quase por acaso. A blindagem inclinada por exemplo, foi feita mais em função da proteção contra a explosão de obuses do que para melhorar as características anti-balísticas, e o motor diesel era quase uma exigência em função das imensas distancias da URSS.
Veículos pesados, bem blindados e com excelente poder de fogo. Esse papel inicialmente caberia aos T-28 e T-35, mas como esses não estavam se saindo muito bem foi projetado um novo tanque, que se tornaria o KV-1. O projeto inicial do KV-1 previa múltiplas torres, mas foi abandonado em função de um desenho mais convencional. Também haviam os tanques leves e os canhões autopropulsados, alem é claro da onipresente artilharia russa, que era realmente poderosíssima! Nos primeiros enfrentamentos com os alemães a inexperiência russa em combate de movimento, falta de coordenação e infra-estrutura inadequada para apoiar os exércitos permitiu que os alemães superassem com suas táticas a qualidade dos tanques russos. Mas ninguém fica ignorante para sempre e os russos aprenderam a lição.
No inicio da campanha da Rússia, a quantidade de equipamento soviético capturado foi tão grande que os alemães chegaram a formar unidades inteiras com T-34 capturados, o que é um reconhecimento da qualidade do veículo russo. Alias, os alemães analisaram a exaustão o T-34 e KV-1. Do primeiro chegou a se cogitar copiar; uma das propostas para o tanque que viria a ser o Panther era extremamente parecida, dizem que em função disso foi descartada, o que pode ser verdade em parte, já que outros fatores também existiam alem do “orgulho” alemão. O motor de liga leve a diesel de elevada potencia russo era impraticável de ser produzido em grandes quantidades pelos alemães. Apesar dos sucessos iniciais, os alemães sabiam que tinham de melhorar muito suas armas, mas sabiam que os russos fariam o mesmo. Depois das versões iniciais do T-34 e KV, novos veículos foram surgindo. Em 1943 já havia o KV-14 ou Su-152, o único veículo capaz de destruir os temíveis Ferdinand na batalha de Kursk. Depois disso ainda vieram os derivados aperfeiçoados do T-34, o T-34/85, Su-122 de apoio de fogo, Su-85 e Su-100 caça-tanques. Isso alem da nova geração de tanques pesados, os famosos JS. Como desvantagem que persistiu durante toda a guerra estava o desconforto e dificuldade de comunicação entre os componentes da tripulação e até entre veículos.

Os canhões de assalto soviéticos como o Su-85 e Su-100, provavelmente só eram superados pelo Jagdpanther em capacidade, mesmo assim eram muito mais fáceis de produzir e manter. Já os Su-152, ISU-122 e ISU-152 tinham alto poder de fogo para destruição de pontos fortes com excelente capacidade secundaria antiblindagem e muito boa proteção blindada. Não se pode esquecer que nos combates da frente russa os canhões antitanque tinham participação muito importante: de um lado as onipresentes peças de 76 mm russas, as mesmas que equipavam os T-34, e do outro os equivalentes alemães de 75 mm alem dos poderosos 88 mm, que mantiveram durante toda a guerra à capacidade de enfrentar os blindados a longas distancias. No final da guerra das coisas que impressionavam como poderio pode-se incluir com certeza o poder das divisões blindadas vermelhas que ficaram sendo uma ameaça ao ocidente até o fim da URSS. E por fim é difícil resistir a comparações, então vamos relacionar alguns tanques russos e seus equivalentes alemães com base nos dados dos blindados alemães. Duelo Vantagens do Blindado Alemão Desvantagens do Blindado Alemão Panzer IV x T-34 Melhor comunicação entre os membros da tripulação e entre veículos, uma vantagem que os alemães tiveram até o fim, melhor sistema de mira. Ele tinha um pouco menos de mobilidade, era mais leve, desenho balístico inferior, alcance menor e canhão um pouco inferior. Panther x T-34 Blindagem melhor, canhão e equipamento de tiro MUITO melhor e as outras vantagens que o Panzer IV já tinha. Manutenção muito mais difícil, produção muito mais cara, alcance muito menor. Mecânica sujeita a problemas. Tiger I x T-34 Poder de fogo, blindagem, equipamento de tiro e comunicação. Mobilidade menor no quesito velocidade máxima, alcance muito menor, produção cara e lenta e manutenção complexa. Stug III x T-34 As mesmas do Panzer IV, lembrando da desvantagem de não ter torre. Menor flexibilidade tática pela ausência de torre, de resto as mesmas do Panzer IV. Panther x JS Equipamento de tiro melhor e rádios melhor. Apesar do calibre menor, o canhão do Panther era otimizado para perfurar blindagens, então se equivaliam nesse ponto, talvez com vantagem para o canhão do Panther pela maior cadencia de tiro, mas com certeza o 75 mm perdia quando o quesito eram as munições explosivas. Manutenção muito mais difícil, produção muito mais cara, alcance muito menor. Mecânica sujeita a problemas. Tiger I x JS Equipamentos de tiro e comunicação. As mesmas em relação ao T-34, sendo que por ser bem menor o JS tinha no mínimo blindagem comparável. Stug III x Su-76 O Su-76 era até bem armado para um veiculo tão leve, mas o canhão de 75 mm do Stug III era melhor, assim como a blindagem do Su-76 era muito menor, de resto as vantagens padrão dos veículos alemães. Menos móvel, o Su-76 era muito rápido pela leveza.

 
Compartilhar: