ARTIGOS

Operação Source17/06/2014por Ritter von Leeb

Essa operação era um audacioso plano Britânico para afundar os navios alemães: Tirpitz, Scharnhorst e Lützow.No dia 12 de maio de 1942,foi assinado um contrato com a Messrs. Vickers Armstrong Limited, para a construção de seis submarinos de bolso denominados “X”,de um novo modelo; ao mesmo tempo em que foi assinado esse contrato, foram solicitados voluntários submarinistas para uma missão ousada e perigosa, seu treinamento começou pouco tempo depois, no maior segredo possível. Os submarinos de bolso começaram a serem entregues em 31 de dezembro de 1942 e o ultimo em 16 de janeiro de 1943. Suas principais características continuam incertas, dado o sigilo do projeto, porem sabe-se que tinham 10 metros de comprimento, 10 toneladas mais ou menos de deslocamento, velocidade de 4 ou 5 nós à superfície,não possuíam quiosque,apenas um pequeno mastro,não eram armados com torpedo,eles conduziam cargas explosivas altamente poderosas em ambos os lados,munidas de relógio temporizado,ao qual,deveriam depositar sob seu objetivo. Sua tripulação compunha-se de, um comandante e quatro marinheiros.   O ataque aos couraçados havia sido previsto para a primavera de 1943, com data limite para 9 de março de 1943,porem logo constatou-se que esse tempo era curto demais para treinar a tripulação e fazer os ajustes nos submarinos,sendo assim decidiu-se por a operação em pratica nos dias 20 à 25 de setembro,quando as noites eram mais longas facilitando assim a operação.

Um problema apareceu, como os submarinos de bolso seriam levados até o objetivo? Apos vários métodos de transporte serem testados, até que se constatou que a melhor forma,seria rebocados com submarinos convencionais ate um ponto próximo ao objetivo. No dia 17 de fevereiro de 1943 foi formada a 12ª flotilha de submarinos, sob o comando do Capitão W E Banks, o comandante D C Ingram seria o oficial encarregado do treinamento e o contra-almirante Barry supervisionaria os preparativos para a operação. No dia 11 á 12 de setembro, todos os submarinos “X”,aparelharam o dia D, estava marcado como previsto seria executado no dia 20 de Setembro.  Os últimos informes dos aviões fotógrafos que chegavam à Grã-Bretanha, confirmavam as suspeitas; o Tirpitz e o Scharnhorst estavam atracados em Kaa Fjord, e o Lützow estava atracado noutra ramificação em Alten Fjord. O plano foi assim traçado, os X-5, X-6 e X-7, depositariam suas cargas explosivas sob o Tirpitz, os X-9 e X-10 sob o Scharnhorst, e o X-8 sob o Lützow.   Muitos incidentes aconteceram durante a travessia, o reboque do X-9 rompe-se, só sendo notado horas depois, voltaram para procurá-lo, mas nunca foi encontrado. No X-8 as cargas explosivas desprendem-se do submarino, e explodem a 900 metros do submarino, esse avariado é abandonado.

Com a perda de dois submarinos o plano é alterado, o X-5, X-6 e X-7, atacarão o Tirpitz,o X-10 atacará sozinho o scharnhorst, quanto ao Lützow não haverá mais ataque. Os couraçados alemães estão atracados no fundo do fiorde. Entre eles e seus assaltantes acham-se dispostos obstáculos numa distancia de quarenta milhas, campos de minas, estacadas, redes. Uma estacada erguendo uma rede anti-submarinos fecha a entrada do fiorde, alem disso cada couraçado é defendido por uma rede de para-torpedos individual. Pequenos navios de guarda patrulham todo o fiorde, alem disso existem microfones de escuta captando qualquer ruído na água, é uma missão extremamente difícil passar por essas barreiras para poder chegar aos couraçados.       

Vejamos os resultados individuais obtidos, o X-10, não chegou ao objetivo, o periscópio e a bússola magnética deixam de funcionar, um incêndio irrompe dento do submarino, sem condições de perseguir, a única alternativa é abortar a missão. O X-6 foi visto por uma sentinela do Tirpitz, porem estava muito próximo para ser alvejado pelos canhões ou mesmo pelas metralhadoras antiaéreas, mas é atacado com granadas de mão e metralhadoras leves, mesmo sob ataque, consegue submergir e depositar suas cargas explosivas no Tirpitz, sua missão esta cumprida, consegue afastarse do Tirpitz, porem uma vedeta alemã investe contra ele, o comandante da ordem para abrir as comportas de afundamento, porem é preso juntamente com sua tripulação, é levado a bordo do Tirpitz para interrogatório, porem nenhum documento consta o teor desse interrogatório, provavelmente nada falaram. Com o X-7, aconteceu o mesmo que o X-6 foi visto por uma sentinela do Tirpitz, porem estava muito próximo para ser alvejado por canhões, mergulha e consegue depositar suas cargas explosivas a estibordo do Tirpitz, missão cumprida, mas seu casco esta muito avariado logo foi ao fundo, dois marinheiros morrem, o restante é recolhido por outra vedeta e levados a bordo do Tirpitz.

Quanto ao X-5, foi avistado a 500 metros das redes, recebeu imediatamente o fogo dos canhões do Tirpitz, desapareceu com sua tripulação. As principais avarias infligidas ao Tirpitz pelos submarinos de bolso X-6 e X-7 foram as seguintes: instalação de propulsão bombordo fora de uso, torre A e C levantadas pela explosão, fora de uso, toda a aparelhagem de controle de tiro antiaéreo completamente desregulado, numerosas infiltrações de água que inundaram temporariamente o compartimento de geradores elétricos, rupturas das canalizações de óleo, diversas avarias nos telêmetros, nos circuitos de transmissão, bem como no radar. As explosões fizeram um morto e quarenta feridos. 

No dia 22 de novembro de 1943, um relatório foi enviado ao estado Maior naval alemão, conclusão: devido aos danos sofridos pelo ataque dos submarinos o Tirpitz estará fora de serviço por vários meses.

Os reparos terminaram em abril de 1944. Repetidamente atingido por bombardeios, afunda no dia 12 de novembro de 1944 em Tromsoë.
Compartilhar: