ARTIGOS

Pogrom de Lvov14/09/2017POGROM DE LVOV

por Gerd von Rundstedt

Os pogroms de Lwów, República da Polônia ocupada (hoje Lviv, Ucrânia), ocorreram de 30 de junho a 02 de julho e de 25 a 29 de julho de 1941, durante a WW2. De acordo com a Yad Vashem, 6 mil judeus foram mortos pelos Einsatzgruppen, alguns nacionalistas Ucranianos e uma milícia também Ucraniana. Durante o entre guerras, Lviv teve a 3ª maior população judaica na Polônia, que aumentou ainda mais com cerca de 200 mil judeus que fugiram dos nazistas. Documentos divulgados pelo Serviço de Segurança Ucraniano alegam que a Organização dos Nacionalistas Ucranianos (OUN) teve menos envolvimento do que se pensava.

1º Pogrom - Após os alemães entraram na cidade, as Einsatzgruppen, com a participação de nacionalistas ucranianos, organizaram um pogrom em retaliação ao assassinato de cerca de 2 mil prisioneiros (incluindo intelectuais, principalmente poloneses e ucranianos e ativistas políticos ) realizados pea NKVD, em 3 prisões de Lviv (prisão de Brygidki, Łąckiego e Zamarstynowska). Segundo documentos Ucranianos, a maioria dessas vítimas eram Ucranianos, embora judeus também tenham sido vítimas da NKVD, que eles foram acusados de ter cooperado com os soviéticos. Antes do massacre, os alemães e ucranianos espalharam rumores implicando os judeus na morte de prisioneiros políticos ucranianos. A multidão enfurecida da cidade correu para torturar e assassinar judeus por toda cidade, estuprando mulheres judias, com soldados alemães tirando fotos para posterior registro. A milícia ucraniana (que mais tarde se tornou a Polícia ucraniana auxiliar) criada as pressas pela Organização dos Nacionalistas Ucranianos após a ocupação da Lviv participaram do pogrom. Durante o pogrom de 4 semanas, alega-se que cerca de 4.000 judeus foram assassinados.

2º Pogrom - Aconteceu nos últimos dias de julho de 41 e foi rotulado como "Os dias de Petlura" após o assassinato do líder ucraniano Symon Petlura. Este pogrom foi supostamente organizado por círculos nacionalistas ucranianos com incentivo alemão. Em 25/julho, militantes ucranianos de fora da cidade, entraram para a milícia ucraniana e participaram de atos de violência contra os judeus. Este grupo agredia qualquer judeu que fosse encontrado em clubes, ou portando facas e machados. Os judeus foram levados para o cemitério da comunidade judáica da cidade e assassinados brutalmente. A Polícia ucraniana circulava em grupos de 5 homens, consultando listas previamente preparadas com nomes de judeus. Cerca de 2.000 pessoas foram assassinadas em aproximadamente 3 dias. Em torno de 5.000 judeus morreram como resultado de toda essa perseguição. Além disso, cerca de 3.000 pessoas, a maioria judeus, foram executados no estádio municipal por militares alemães. O gueto de Lviv foi criado após os pogroms, prendendo cerca de 120.000 judeus, a maioria dos quais foram deportados para o campo de extermínio de Belzec ou mortos no local durante os 2 anos seguintes.
 
Compartilhar: