ARTIGOS

O Nascimento do Torpedo17/06/2014por Kiril Meretskov  

Torpedo, um projétil que opera sob a água, sendo desenhado para detonar com o impacto ou a proximidade do alvo. A palavra torpedo vem do latim torpedo, nome dado antigamente aos peixes-elétricos (dos quais o nosso poraquê é um bom exemplo). Sua descarga elétrica, que chega a 650 v, é suficiente para adormecer ou mesmo paralisar o braço de quem o toca. É, portanto, da mesma família de torpor e entorpecimento. O artefato explosivo usado pelas marinhas de guerra ganhou esse nome por causa da forma alongada e da maneira como se deslocam na água, semelhantes à do peixe.

Em uso naval, o termo "torpedo" foi primeiramente usado por Robert Fulton que usou isto em referência para seu submarino Nautilus em 1800. Notavelmente o termo também era usado na Guerra civil americana para definir as minas navais amarradas, desenvolvidas por Matthew F. Maury, Almirante da Confederado.
Os primeiros protótipos de um torpedo autopropulsado foram criados por Ivan Lupis-Vukic, um engenheiro naval croata aposentado que serviu na marinha Austro-húngara. O projeto foi apresentado ao imperador Franz Joseph em 1860. Em 1864 Lupis fez um contrato com Robert Whitehead, um engenheiro inglês, para aperfeiçoar sua invenção. Isto resultou em Minenschiff, o primeiro torpedo autopropulsado, oficialmente apresentado à comissão naval imperial no dia 21 de dezembro de 1866.  Robert Whitehead nasceu em 3 de janeiro de 1823 na cidade inglesa de Bolton, vindo de uma família de engenheiros, manteve a tradição. O governo decidiu investir na invenção, Whitehead começou a primeira fábrica de torpedo em Rijeka. Em 1870, eles melhoraram os dispositivos para conseguir distancias de ataque de até 914 m a uma velocidade de até seis nós, e antes das 1881 estavam exportando para outros dez países. O torpedo era movido com ar comprimido e tinha carga explosiva utilizando gloxyline ou algodão-pólvora. Whitehead continuou aperfeiçoando seus dispositivos conseguindo em 1876 18 nós, 1886 24 nós e finalmente em 1890 30 nós. Em 1877 o Almirantado britânico pagou cerca de 15 mil libras para Whitehead que abriu uma fabrica perto do porto de Portland em 1891. O maior torpedo de Whitehead tinha 5,8 m com 457 mm de diâmetro e uma carga explosiva de 90 kg que usava algodão-pólvora. Em 23 de abril de 1891, durante a guerra civil chilena, o navio Blanco Encalada foi o primeiro navio afundado em uma ação militar por um torpedo autopropulsado. Durante este tempo, o barco lança-torpedos inventado por John Ericsson ganhou reconhecimento para sua eficiência, e os primeiros destruíeis foram construídos a partir desse conceito. Os torpedos em geral podem ser lançados de três formas diferentes:
1. De um tubo de torpedo montado acima da linha da água.
2. De um tubo de torpedo montado abaixo da linha da água.
3. De um avião em voo rasante.


Normalmente os aviões utilizam torpedos mais leves, sendo os mais pesados reservados a submarinos ou navios. Em 1895 a primeira melhoria significante veio ao torpedo desde sua invenção. Whitehead introduziu o giroscópio, inventado por um austríaco, Ludwig Obry, que ajudava no seu direcionamento vertical, garantindo com isso mais precisão. O torpedo era em teoria uma ótima ideia, mas tinha suas limitações, tinha pequeno alcance e para garantir um tiro certeiro era necessária uma proximidade de no máximo uns 400 m, o que era impraticável. Contudo os torpedos trouxeram duas grandes vantagens, se caso fosse acertado o alvo, os danos eram grandes e segundo a sua própria existência que criava a necessidade de serem mais vigilantes mesmo os grandes navios blindados. Durante a Segunda Guerra, o torpedo normalmente usado tinha entre 6 e 7 metros, levando uma carga de explosivos de 272 kg a uma velocidade de 50 nós por uma distancia de 9 km. Os torpedos inicialmente iam em linha reta, mas foram recebendo melhorias, como os Wire-Guide (cabos guia) que guiava o torpedo com impulsos elétricos, o TDC*, etc. Os torpedos atuais estão muito evoluídos com auto-guiamento por sonar ativo e passivo com alcance de 1 a 1,5km para aquisição de alvo, são impulsionados por potentes motores elétricos ou foguetes reagentes químicos e alcançam até 80km/h, porém seu raio de combate ainda é relativamente curto, varia de 6 a 10km; para estender seu alcance as Marinhas utilizam foguetes que transportam um torpedo até uma área distante onde exista indícios de navegação de submarino hostil. *TDC Mark III – Torpedo Data Computer. Controle integrado de tiro e direcionamento de torpedos. Surgiu durante a Segunda Guerra e dava aos submarinos americanos a habilidade de disparar torpedos sem a necessidade de estimar a posição futura do alvo.
 
Compartilhar: